“Eu sei que você veio me matar. Atire, covarde, você só vai matar um homem ”

(CHE GUEVARA – Uma Vida Revolucionária; Anderson J.L., Bantam Press 1997. p739)

Essas foram as últimas palavras de um revolucionário que, mais do que qualquer outro, sintetiza o truísmo de que “você pode matar o sonhador, mas nunca pode matar o sonho”. A vida de Che Guevara foi apagada por um rifle semi-automático à queima-roupa que perfurou seu corpo já ferido por outras balas, aproximadamente a 13:10 de 9 de outubro de 1967.

F i l m e   V   d e   v i n g a n ç a

Che tinha sido baleado duas vezes na perna e capturado no dia anterior em La Higuera, Vallegrande, no alto das colinas da Bolívia. Ele foi mantido amarrado como um cachorro em um cativeiro localizado em uma escola. Ele foi convidado a sentar em uma cadeira para ser executado, mas recusou. Ele preferiu ficar de pé e encarar seu carrasco nos olhos enquanto o mesmo, atirava nele.

Aparentemente, a rodada inicial de balas entrou em seus braços e pernas, forçando-o a cair no chão, com isso, ele mordeu o próprio pulso para evitar os gritos de dor. O soldado disparou novamente e uma bala entrou em seu tórax enchendo seus pulmões de sangue e extinguindo sua vida.

Che tinha apenas 39 anos de idade, mas morreu enquanto vivia, com grande honra e coragem. Ele tinha uma sede insaciável de justiça pelos desalojados e enfurecidos, contra a pobreza e a desigualdade obscena ao longo de sua vida.

As anotações detalhadas de um dos altos oficiais do exército boliviano, o tenente-coronel Selich, são muito instrutivas para quem quer saber quem era Che Guevara e o que ele representava. Tentando obter informações de Che sobre outros guerrilheiros ainda não capturados, Selich disse:

“Eu entendo que Benigno (um dos companheiros de Che) está gravemente ferido desde a batalha de La Higuera [26 de setembro], onde Coco e os outros morreram. Você pode me dizer, comandante, se ele ainda está vivo?”

(Che)”Coronel, eu tenho uma memória muito ruim, eu não me lembro [e] nem sei como responder à sua pergunta”.

Selich então pergunta sarcasticamente:

“Você é cubano ou argentino?” (Anderson J.L. p735)

F i l m e   V   d e   v i n g a n ç a

Che nasceu na Argentina de pais com conexões irlandesas, mas viajou pela América Latina e testemunhou a pobreza, a fome e a superexploração dos pobres e camponeses, que queimaram em seu coração o desejo e a determinação de lutar com os oprimidos contra os opressores.

Conheceu Fidel Castro no México em 1955 e juntou-se ao seu “Movimento 26 de Julho”, dedicado à libertação de Cuba da brutalidade e do autoritarismo do líder militar Fulgencio Batista que governou a ilha com o apoio dos Estados Unidos. Che se juntou a Fidel no barco Granma do México em 1956 para ajudar na revolução cubana.

Como ex-estudante de medicina, inicialmente viajou como médico, mas no calor da batalha logo se mostrou um soldado exemplar, guerrilheiro e líder. Ele desempenhou um papel fundamental na bem-sucedida revolução cubana e foi saudado como co-líder ao lado de Fidel quando entrou triunfalmente em Havana em 1º de janeiro de 1959 para iniciar a construção de uma nova Cuba mais justa, igual e finalmente socialista.

Che nasceu na Argentina, mas lutou com os cubanos e foi capturado enquanto lutava na Bolívia. Daí a pergunta sarcástica do tenente-coronel Selich. A resposta de Che sintetiza o visionário que ele foi e serve como um guia para todos aqueles que buscam um mundo melhor e mais justo:

“Eu sou cubano, argentino, boliviano, peruano, equatoriano, etc… Você entende?”

(Selich) “O que fez você decidir operar em nosso país?”

(Che) “Você não consegue ver o estado em que os camponeses vivem? Eles são quase como selvagens, vivendo em um estado de pobreza que deprime o coração, tendo apenas um quarto para dormir e cozinhar e sem roupas para vestir, abandonados como animais … ”

 

Essa conversa ocorreu na madrugada de 9 de outubro de 1967, quando Che soube com certeza que logo seria executado. Apesar de suas feridas de bala da batalha do dia anterior e do fato de que ele estava encarando a morte no rosto, ele ainda era capaz e estava disposto a articular sua visão socialista e humanista de um mundo melhor e mais justo.

Os críticos podem pontificar, a partir do conforto de seus escritórios acadêmicos, as fraquezas estratégicas da tentativa de Che de exportar a luta revolucionária e tentar na Bolívia o tipo de luta que teve sucesso em Cuba. Claro que podemos refletir no lazer e talvez concordar que cada país seguirá seu próprio caminho para a libertação de acordo com suas tradições, cultura, constituição, condições e eventos.

 

 

M o s   D e f    M u s l i m

Onze anos atrás, em 2007, surgiu uma história que sintetizava a visão humanitária do  socialista de Che Guevera e justificam seu sacrifício heróico à causa. Em todo o mundo, o nome Che Guevara é reconhecido instantaneamente, mas quem já ouviu falar de Mario Teran?

Foi a ele quem Guevara falou suas últimas palavras, pois foi Mario Teran quem atirou e matou Che. Este sargento do Exército boliviano matou um herói de Cuba, mas quatro décadas depois o filho desse mesmo homem escreveu a um jornal boliviano e agradeceu a Cuba todo o seu coração por ter permitido ao pai o milagre da visão depois de ter ficado cego de catarata e perdido o prazer de ver seus netos.

Os médicos socialistas treinados em Cuba, financiado pela  Vene-zuela, operaram Mario Teran e restauraram sua visão. Que triunfo para a revolução que Che ajudou a liderar com suas causas e ideais aos quais dedicou sua vida adulta.

Teran foi tratado sob a Operação Miracle, um programa médico venezuelano, por médicos cubanos que oferece tratamento oftalmológico gratuito a pessoas pobres em toda a América Latina.

Quão orgulhoso Che teria tido dos médicos, do programa e da dignidade de sua amada Cuba, dispostos a pôr de lado a contravenção de Mario Teran para fazer o que é certo.

Granma, um nome de peso

Inclusive o próprio jornal oficial do Partido Comunista Cubano é chamado de Granma, nome do barco que trouxe Che, Fidel e outros revolucionários do México a Cuba em 1956 para dar início à revolução cubana.

 

Esse barco real está em exposição no Museu da Revolução Cubana em Havana. Eu sei porque eu visitei cinco vezes e inclusive, o jornal do mesmo nome, foi um dos responsáveis por relatar o tratamento restaurador de visão dado a Mario Teran:

“Quatro décadas depois de Mario Teran tentar destruir um sonho e uma ideia, Che retorna para ganhar mais uma batalha. Agora, um velho que ele [Teran] pode mais uma vez apreciar as cores do céu e da floresta, apreciar os sorrisos de seus netos e assistir a jogos de futebol. ”

Atualmente

Em 2018, Cuba e a Venezuela socialistas ainda estão sujeitas a sanções comerciais ilegais e imorais e embargos econômicos pela Nação dos Ladinos, que é os EUA. Apesar das barreiras, eles ainda exibem solidariedade humana internacional de uma maneira incomparável por nações de mercado livre mais ricas.

A Venezuela está no meio de sérias dificuldades econômicas projetadas pelos EUA para desestabilizar o país, mas ainda assim elas ajudam as vítimas de desastres naturais na Indonésia. Enquanto Cuba em face da agressão dos EUA ainda consegue continuar a sua incrível assistência médica e programas de solidariedade internacional.

 

Che Guevera morreu neste dia 51 anos atrás, mas seu espírito, ideais e sonhos ainda estão muito vivos e chutando. Eu te saúdo o comandante  Che Guevera.

Texto escrito por Tommy Sheridan, parlamentar escocês, graduado em direito e ativista político.

Originalmente publicado em https://sputniknews.com/columnists/201810091068717520-we-remember-che-guevara/